Citologia Clinica 2

of 230

  • date post

    04-Apr-2018
  • Category

    Documents

  • view

    223
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Citologia Clinica 2

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    1/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    2/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    3/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    4/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    5/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    6/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    7/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    8/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    9/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    10/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    11/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    12/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    13/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    14/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    15/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    16/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    17/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    18/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    19/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    20/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    21/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    22/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    23/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    24/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    25/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    26/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    27/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    28/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    29/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    30/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    31/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    32/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    33/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    34/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    35/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    36/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    37/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    38/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    39/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    40/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    41/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    42/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    43/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    44/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    45/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    46/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    47/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    48/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    49/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    50/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    51/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    52/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    53/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    54/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    55/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    56/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    57/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    58/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    59/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    60/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    61/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    62/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    63/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    64/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    65/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    66/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    67/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    68/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    69/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    70/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    71/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    72/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    73/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    74/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    75/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    76/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    77/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    78/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    79/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    80/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    81/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    82/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    83/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    84/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    85/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    86/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    87/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    88/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    89/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    90/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    91/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    92/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    93/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    94/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    95/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    96/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    97/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    98/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    99/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    100/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    101/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    102/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    103/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    104/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    105/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    106/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    107/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    108/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    109/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    110/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    111/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    112/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    113/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    114/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    115/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    116/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    117/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    118/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    119/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    120/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    121/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    122/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    123/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    124/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    125/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    126/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    127/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    128/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    129/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    130/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    131/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    132/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    133/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    134/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    135/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    136/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    137/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    138/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    139/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    140/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    141/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    142/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    143/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    144/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    145/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    146/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    147/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    148/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    149/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    150/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    151/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    152/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    153/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    154/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    155/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    156/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    157/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    158/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    159/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    160/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    Montagem

    MONTAGEM

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    161/230

    17/08/2012

    23

    T.B.F.C.

    Id.

    45Anos

    No.A

    56067

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    162/230

    17/08/2012

    1

    CITOLOGIA CLNICA

    TCNICAS DE COLHEITA, FIXAO ECOLORAO

    COLHEITA DO ESFREGAO CITOLOGIA DO TRATO GENITAL FEMININO

    CITOLOGIA ESFOLIATIVA: CONSISTE EM RECOLHER CLULAS QUE DESCAMARAM

    ESPONTANEAMENTE DO FUNDO DE SACO POSTERIORDA VAGINA.

    CITOLOGIA ABRASIVA CONSISTE NA RASPAGEM DA MUCOSA DE MODO A

    SOLTAR AS CLULAS DO EPITLIO. Ex.: ESPTULA DE AYRE E ESCOVA ENDOCERVICAL

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    163/230

    17/08/2012

    2

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO VAGINAL: REALIZA-SE COM A EXTREMIDADE

    ARREDONDADA DA ESPTULA DE AYRE.

    NORMALMENTE ENCONTRAMOS: CLULAS DA VAGINA, CL. ENDOCERVICAIS, MUCO,

    LEUCCITOS, MACRFAGOS, DETRITOS CELULARESNECRTICOS.

    RARAMENTE: CL. ENDOMETRIAIS, CL. TUBRIAS,CL. OVARIANAS OU PERITONEAIS.

    PODEM CONTER BACTRIAS E PARASITAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO VANTAGENS DA CITOLOGIA VAGINAL:

    DIVERSIDADE DE CLULAS DO TRATO GENITAL

    DESVANTAGENS DA CITOLOGIA ESTADO DE CONSERVAO POBREZA DE CLULAS MALIGNAS EM TUMORES

    CERVICAIS.

    O ESFREGAO DO TERO SUPERIOR DAVAGINA INDICADO PARA A CITOLOGIAHORMONAL.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    164/230

    17/08/2012

    3

    COLHEITA DO ESFREGAO

    ESFREGAO CERVICAL (ENDO E ECTO) ESPTULA DE AYRE OU ESCOVA DE NYLON

    (CERVI-BRUSH)

    INTRODUZIR A PARTE ALONGADA NO CANALENDOCERVICAL E GIRAR 360 GRAUS.

    ROTAO COMPLETA

    CITOLOGIA ABRASIVA: DETECO DE CLULASDISPLSICAS E NEOPLSICAS.

    COLHEITA DO ESFREGAO ESPALHAMENTO SOBRE A LMINA LMINA:

    ESPESSURA MNIMA DE 1mm PONTA FOSCA

    ESPALHAR: FORMA REGULAR Vs ESFREGAO? MOVIMENTOS IRREGULARES MODIFICAM AS

    FORMAS CELULARES. TODA A SUPERFCIE DA ESPTULA EM

    CONTATO COM A LMINA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    165/230

    17/08/2012

    4

    COLHEITA DO ESFREGAO

    FIXAO DO MATERIAL DEVE SER REALIZADA SEM DEMORA FAVORECER A CONSERVAO DAS CLULAS

    IDENTIFICAO E INFORMAES CLNICAS REALIZADA NO MOMENTO DA COLETA IDADE, Data ltima Mestruao ou Menopausa

    (DUM), ANTECEDENTES, LESES E TRATAMENTOSEM CURSO OU RECENTES

    COLHEITA CORRETA SENSIBILIDADE Vs. ABRASO EXCESSIVA NMERO DE CLULAS POR LMINA 30.000 A 300.000 CLULAS EPITELIAIS PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICAIS ?! PRESENA DE CLULAS ENDOCERVICIAS

    CRITRIO PARA A QUALIDADE DO ESFREGAO.

    BOM SENSO EXPERINCIA

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    166/230

    17/08/2012

    5

    COLHEITA CORRETA

    PARA ALGUNS AUTORES, A AVALIAO DAMUCOSA ENDOCERVICAL, PRECISA TER 2 DOS3 ELEMENTOS ENCONTRADOS:

    1. CLULAS CILNDRICAS ENDOCERVICAIS

    2. CLULAS METAPLSICAS

    3. MUCO CERVICAL

    O QUE E COMO APARECE OCNCER DO COLO DO TERO

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    167/230

    17/08/2012

    6

    Clulas superficiais

    Clulas intermedirias

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    168/230

    17/08/2012

    7

    Clulas parabasais

    NIC I

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    169/230

    17/08/2012

    8

    NIC II

    NIC III

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    170/230

    17/08/2012

    9

    CA COLO UTERINO

    ComoComo procederproceder coletacoleta dede materialmaterial parapara ooexameexame citopatolgicocitopatolgico (Papanicolau)(Papanicolau)..

    O primeiro passo o adequado preenchimento doformulrio de requisio do exame citopatolgico comletra legvel e com todas as informaes referentesaos dados pessoais corretos.

    O procedimento de coleta propriamente dito deveser realizado na ectocrvice e na endocrvice,usando a esptula de Ayres e a escovinha.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    171/230

    17/08/2012

    10

    Espculo vaginal, conhecido como bico de pato.

    introduzido na vagina para que o colo do tero seja visualizado

    O profissional coleta algumas clulas do colo uterinoe da vagina e coloca numa lmina de vidro

    Esptula

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    172/230

    17/08/2012

    11

    Escova

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    173/230

    17/08/2012

    12

    Compete a todo laboratrio um funcionamento que atendaaos requisitos de qualidade a fim de garantir aos seus usurios aconfiabilidade e segurana dos resultados dos examesrealizados. Para isto, os laboratrios devem guardar os laudos elminas para controle de qualidade posterior e realizar prticasde controle interno de qualidade. Esta prtica deve serdocumenta

    A tcnica de colorao para citopatologia (Papanicolaou)permite, tambm, identificar a microflora vaginal nos esfregaos.A simples presena de um microorganismo no implica emprocesso inflamatrio, sendo necessrio que a estrutura celularapresente reaes que caracterizem a inflamao.

    importante frisar para as mulheres o porqu da demorados resultados da citologia e enfatizar o retorno unidade para abusca do resultado.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    174/230

    17/08/2012

    13

    O exame citopatolgico (Papanicolaou) o examepreventivo do cncer do colo do tero.

    Ele consiste na anlise das clulas oriundas daectocrvice e da endocrvice que so extradas por raspagemdo colo do tero.

    Aps a introduo do espculo vaginal, sem colocaode nenhum lubrificante (pode ser usado apenas o sorofisiolgico). Normalmente no doloroso, mas um desconfortovarivel pode acontecer, de acordo com a sensibilidade

    individual de cada paciente. As mulheres devem ter sidopreviamente orientadas a no terem relaes sexuais oufazerem uso de duchas, medicamentos ou examesintravaginais (como por exemplo a ultra-sonografia) durante as48 horas que precedem o exame.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    175/230

    17/08/2012

    14

    O procedimento de coleta propriamente dito deve serrealizado na ectocrvice e na endocrvice. No caso demulheres histerectomizadas que comparecerem para a coleta,deve ser obtido um esfregao de fundo de saco vaginal. Nocaso de pacientes grvidas, a coleta endocervical no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosae com uma correta explicao do procedimento e do pequenosangramento que pode ocorrer aps o procedimento. Como

    existe uma everso fisiolgica da juno escamo-colunar docolo do tero durante a gravidez, a realizao exclusiva dacoleta ectocervical na grande maioria destes casos fornece umesfregao satisfatrio para anlise laboratorial.

    Obteno do material Cervical

    -A amostra retirada diretamente da cvix uterina. Como?

    Por meio de um raspado cervical, esse mtodo temuma grande vantagem por no depender da de esfoliao, mecanicamente que as clulas so obtidas.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    176/230

    17/08/2012

    15

    UsoUso dada esptulaesptula::

    A extremidade mais larga deverser inserida corretamente noorifcio da crvix e girando-se amesma na direo do ponteirode um relgio at completar-se360 o, com isso as clulasautomaticamente desprenderoda superfcie.JEC: Juno escamo-colunar emboa quantidade. Onde ocorre80% leses.

    O material assim colhido deverento ser DELICADAMENTE eHomogeneamente espalhadossobre sua superfcie de umalmina (limpa e seca) em sentidolongitudinal , evitando omovimento de VAIVM ouROTATRIOS.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    177/230

    17/08/2012

    16

    Confeco do esfregao ectocervical

    OlhaOlha aa DicaDica LEGALLEGAL !!!!!!

    Algumas vezes durante a coleta teremos umagrande quantidade de muco cervical espesso eviscoso, esse poder perturbar a coleta. O que deve sefazer?

    Deve-se tirar com algodo de forma parcial outotal esse muco. Para a remoo desse muco no

    poder ser usado nem mesmo com gua somente oalgodo.

    Lembre essa manobra deve somente se feitaem excesso extremo de muco.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    178/230

    17/08/2012

    17

    Identificar o recipiente detransporte de lmina externamentecom o nome completo do cliente,sempre a lpis.

    Obteno do material Endocervical

    Introduzir a parte das cerdas da escovaginecolgica no orifcio cervical, girando360. Passar o material para lmina, rodando aescova atravs da lmina. Realizar a fixao da lmina com fixadorcelular (lcool), imediatamente aps aconfeco do esfregao.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    179/230

    17/08/2012

    18

    Confeco do esfregao endocervical

    Aps a coleta, a fixao deste material na lmina deve serimediata. fundamental no esquecer que esta lmina e acaixa ( ou frasco) devem estar corretamente identificados, damesma forma que o formulrio de requisio de exames jpreenchido, todos a lpis grafite.

    No caso de mulheres histerectomizadas, recomenda-severificar se o colo foi mantido. Havendo colo, o exame deve

    ser procedido regularmente. No caso de pacientes grvidas, a coleta no contra-indicada, mas deve ser realizada de maneira cuidadosapodendo seguir-se de um pequeno sangramento.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    180/230

    17/08/2012

    19

    Lembrete!

    No esquea que obrigatoriamente necessriousar lminas novas, sendo ainda necessriopromover o desengorduramento das lminas, comum auxilio de uma gaze passar nas duas faces dalmina com movimento em um nico sentido evitandomovimento de vaivm e rotatrios

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    181/230

    17/08/2012

    20

    FLUXOGRAMA

    RECEPOTriagem (Orientaes,

    dados)

    COLETAObservar e solucionar os

    pontos crticos

    Distribuiodas Amostras

    Setor tcnico

    (processamento

    das Amostra)CPD

    Entrega dos

    resultados

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    182/230

    17/08/2012

    21

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

    20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses

    5 Minutos5 Minutos5 Minutos5 Minutos 1 Minuto1 Minuto1 Minuto1 Minuto 20 Imerses20 Imerses20 Imerses20 Imerses 2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.2 a 4 Imer.

  • 7/31/2019 Citologia Clinica 2

    183/230

    17/08/2012

    22

    3 Minutos3 Minutos3 Minutos3 Minutos 20 I